Anunciar vaga

Onde o Profissional de Relações Internacionais pode trabalhar?

O campo profissional de Relações Internacionais está em constante transformação, acompanhando as mudanças tecnológicas, econômicas, políticas, culturais e sociais. Dado cenário, novas oportunidades surgem em novos setores da indústria e da mesma forma, diminuem em outras. Algumas áreas, como diplomacia pública, continua sendo a área de maior interesse, sendo comércio exterior a que mais tem absorvido profissionais.

O objetivo do Vagas para Relações Internacionais – VagasRI, além do seu importante papel de agência especializada, é identificar as tendências do mercado de trabalho, sendo isso possível através da análise do banco de vagas e de currículos e pelo contato diário com diversos profissionais e empresas. Após analisar mais de 500 vagas nos últimos 10 meses, preparamos uma lista com as 10 áreas com maior potencial para crescimento e contratação de Profissionais de Relações Internacionais.

Startups – Empresa de base tecnológica

As startups são a bola da vez. Empresas nascentes com baixo investimento de capital, profissionais altamente capacitados, e que são capazes de expandir de forma sólida e acelerada. Elas ganham espaço em setores engessados, como o bancário e o financeiro e facilitam o acesso ao ensino e ao transporte, por exemplo. As startup são empresas de base tecnológica e que buscam a inovação em qualquer área ou ramo de atividade, sendo sua principal característica a capacidade de se adaptar de forma rápida ao mercado e de seus produtos e serviços serem escaláveis, o que significa que o custo para aquisição ou expansão é muito baixo. Para aqueles internacionalistas que gostam de tecnologia e gostam de empreender, é sem dúvidas o caminho a ser seguido.

Procure saber sobre startup enxuta, inovação e empreendedorismo digital. Entre em contato com os desenvolvedores e converse sobre a internacionalização. Principais polos tecnológicos: Florianópolis, Recife, Porto Alegre, São Paulo e Belo Horizonte.

Marketing Digital – Internacional

Além do marketing como conhecemos das revistas, jornais e campanhas publicitárias, o marketing digital ganhou importância e se consolida como principal forma para marcas e empresas divulgarem se expandirem para além das fronteiras nacionais. As empresas especializadas em marketing digital contam cada vez mais com profissionais de Relações Internacionais para auxiliar na internacionalização dos seus serviços e clientes, na identificação de mercados e nas vendas internacionais. Também são de base tecnológica, sendo muitas dessas empresas também enquadradas como startups, com destaque para SEMrush e Resultados Digitais.

Para aqueles interessados em atuar nessa área, é essencial uma boa comunicação, facilidade de se adaptar aos novos cenários e de compreender qual mensagem deve ser passada. Então, estude sobre marketing digital, sobre Inbound Marketing — Marketing de Conteúdo, SEO e Estratégias em Redes Sociais. As empresas de marketing, assim como as startups, estão espalhadas pelo país, mas destaque para Florianópolis e Belo Horizonte.

Organizações Não Governamentais

O terceiro setor reúne entidades da sociedade civil com fins públicos e não lucrativos, com o objetivo de solucionar problemas diversos, em especial em temas sensíveis para a existência e preservação da cultura, do meio ambiente, da melhoria das condições de vida das pessoas. Elas demandam profissionais com amplo domínio de política, economia, direito, história, meio ambiente e sociologia. E, cada vez mais, atuam em searas que precisam diálogo com diferentes povos e culturas, transpassam os domínios e capacidades dos Estados. Com agenda internacionalizada, as instituições procurando ação global, o Profissional de Relações internacionais tem ganho cada vez mais espaço.

Para aqueles interessados em atuar nessa área, é fundamental que identifique quais causas tem maior facilidade e quais ONGs estão atuando em sua cidade. O internacionalista pode se voluntariar e/ou auxiliar na expansão para sua cidade. Estão presentes em todo o território nacional, mas em especial na região Amazônica e regiões carentes de grandes cidades.

Representações Diplomáticas

As representações diplomáticas contratam profissionais locais para auxiliar na execução das suas atividades de promoção cultural, na organização de reuniões, acompanhamento da agenda política do país e apoio logístico. Como muitos países contam com restrições orçamentárias, a contratação de profissionais nativos se torna uma opção mais interessante, e com inserção internacional brasileira das duas décadas anteriores, muitos países estão abrindo ou reforçando suas presenças no Brasil, com escritórios em São Paulo, Rio de Janeiro e Recife, por exemplo.

Pesquise e procure visitar, acompanhar a agenda das representações diplomáticas na sua cidade. Elas procuram profissionais que conheçam e se interessem pela cultura, estilo de vida e hábitos dos seus países; que seja um facilitador de negócios. Estão concentradas em grades centros econômicos e políticos, mas também procuram se estabelecer próximas de locais que guardem ligações históricas e culturais.

Cidades – Paradiplomacia

A capacidade do Estado brasileiro em promover o desenvolvimento regional está limitado, colocando o peso sobre os outros entes da federação de encontrar alternativas para a promoção do desenvolvimento e do crescimento econômico. As cidades são as mais afetadas e as menos preparadas para buscar parcerias internacionais, seja para lidar com problemas sociais, para atrair novas indústrias, para valorizar seus aspectos culturais e históricos. A criação de secretárias de assuntos internacionais representa a modernização da administração pública, algo que era limitado às capitais e às metrópoles, é realidade para pequenas e médias cidades.

Se informe sobre a paradiplomacia da sua cidade. É possível propor aos prefeitos e demais autoridades que considerem a internacionalização da cidade. Lembre-se de preparar um estudo e uma apresentação sobre o potencial de internacionalização da cidade. Todas as cidades podem exercer paradiplomacia.

Relações Governamentais

Empresas que pretendem se estabelecer no Brasil, vão em algum momento enfrentar a burocracia brasileira. Além disso, será preciso muitas reuniões e negociações com diferentes agências e órgãos do governo para que os negócios prosperem. Muitas empresas estão se especializando nessa área, oferecendo soluções para diferentes setores e indústrias. Por conhecerem como funciona a máquina pública, elas conseguem que as autoridades políticas tomem as melhores decisões e facilitem os negócios, algo que as demais empresas levariam muito tempo para conseguir. Vários aspectos são únicos da cultura política e organizacional brasileira, sendo um ótimo espaço para atuação dos Profissionais de Relações Internacionais.

É um campo em formação, mas há cursos e instituições que atuam na profissionalização do campo de RelGov. As empresas de Relações Governamentais vão se estabelecer próximas dos centros político-administrativos, com destaque para Brasília e São Paulo.

Multinacionais

A instalação de empresas estrangeiras no país foi estimulada nos anos 1990 como forma de modernizar a economia brasileira e permitir que novos setores crescessem no país, o que levou tanto as empresas nacionais quanto estrangeiras a procurarem profissionais que fossem capacitados. Por se estabelecerem em diferentes países, vão estar sujeitas a diferentes leis, moedas e culturas. Elas vão procurar se integrar da melhor forma, fazendo ajustes nos serviços e na própria cultura organizacional. Além disso, essas empresas contam com diplomatas corporativos e departamentos de Relações Internacionais para defenderem e promoverem seus interesses em diferentes partes do globo. Um novo fator tem dado às Relações Internacionais nova importância: a política externa empresarial. Com as mudanças políticas e conflitos comerciais afetando os negócios, é preciso ter condições de defender seus interesses e preservar setores estratégicos.

A principal forma de contratação é por programas de estágio e de trainee, com possibilidade de crescimento profissional acelerado.

Ensino e Pesquisa

As Relações Internacionais é área muito fértil para reflexões e estudos. E, com as questões internacionais cada vez mais impactando nas nossas vidas, é preciso compreender os impactos e as oportunidades que se apresentam para o país. A área de ensino e pesquisa foram as primeiras a se desenvolverem, a RBPI é de 1954 e o bacharelado de 1974, marcos importantes para consolidação das Relações Internacionais no Brasil. Com a expansão internacional do ensino, com a adoção de padrões internacionais, além de convênios para cooperação, as instituições também contam com secretarias especificas para tratar de assuntos internacionais. A abertura de novos cursos de Relações Internacionais, além da inclusão de disciplinas em outros cursos versando sobre, abre inúmeras oportunidades para profissionais interessados em pesquisa e ensino.

Além do ensino, instituições que se dedicam ao estudo sistemático do campo internacional estão crescendo no país. Elas contribuem com análises e estudos setoriais e podem oferecer diferentes materiais que vão auxiliar empresas e instituições na condução das suas relações internacionais.

Organizações Internacionais

A tradição diplomática brasileira coloca o Brasil em uma posição importante quando se trata de integração e cooperação internacional, em especial no âmbito das Organizações Internacionais (OIs). Para lidar com diversas questões internacionais, desde comércio, assuntos regionais, meio ambiente, segurança e direitos humanos, os Estados procuram, através de Organizações especializadas, defender seus interesses e pressionar para que outros países adotem posturas condizentes. A globalização e a interdependência econômica, cria inúmeras formas para grupos de Estados se integrarem e cooperarem, o que leva a criação de Organizações Internacionais. Essas instituições vão contar com quadros especializados e vão estabelecer agências para desenvolverem suas atividades, sendo o internacionalista o principal deles.

Você pode desenvolver sua carreira como diplomata atuando em uma Organização Internacional. Confira as oportunidades disponíveis na ONU em https://unjobs.org/

Comércio Exterior

A soma das exportações e importações brasileiras foi de 403 bilhões de dólares em 2019. As empresas de comércio exterior são as grandes responsáveis por essa cifra. Elas atuam diuturnamente comercializando, organizando documentações, fazendo acordos, procurando compradores, ofertando consultoria, entre outros serviços. Os escritórios estão cada vez mais sofisticados e os serviços vão além do desembaraço aduaneiro, sendo cada vez mais importante o papel do negociador internacional. Essa transformação abre espaço para profissionais com boa formação, domínio de idiomas e que sejam capazes de lidar com as adversidades.

A graduação em Relações Internacionais conta com disciplinas específicas de Comércio Exterior, sendo fundamental cursos extracurriculares e/ou estágio para conhecer os processos de importação e exportação.

As empresas de Comércio Exterior se concentram próximas de hubs logísticos, portos e aeroportos de carga.

Sobre o Autor

Guilherme Bueno

É analista de Relações Internacionais. Organizador do Congresso de Relações Internacionais e editor da Revista Relações Exteriores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ajuda? Chat por WhatsApp